quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

E a democracia resistiu ao golpe em 2015

Eis que 2015 chega ao fim de um modo bem diferente daquele que foi sonhado pela oposição. Apesar de todas as dificuldades políticas e econômicas, a presidente Dilma Rousseff se mantém no cargo e o impeachment se tornou uma miragem distante depois que o Supremo Tribunal Federal invalidou o rito traçado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Pode parecer pouco, mas é um grande feito quando se leva em conta a intensidade da agressão que se tramou contra a democracia brasileira. De um lado, a oposição, aliada à mídia familiar, buscou, desde a derrota nas eleições presidenciais de 2014, um atalho para retornar ao poder. Tentou-se de tudo: desde a recontagem das urnas até o pedido de impeachment ancorado na extravagante tese das pedaladas fiscais, acolhido por Cunha.
Em paralelo, ao mesmo tempo em que envenenava o ambiente político com seu terceiro turno sem fim, a oposição patrocinava as pautas-bomba no Congresso, apostando na tese do 'quanto pior, melhor'. E isso sem falar nas demissões provocadas no setor de engenharia pelo fator Lava Jato.
O Brasil foi rebaixado por duas agências de risco, o desemprego cresceu fortemente, mas, apesar disso, a presidente Dilma conseguiu, no fim do ano, ver a seu lado um batalhão de pessoas dispostas a lutar pela democracia. A seu lado, perfilaram-se artistas, professores, juristas, sindicalistas e intelectuais – mesmo aqueles que não estão satisfeitos com a sua gestão.
Tudo isso demonstrou que, em 2015, a democracia foi colocada como um bem maior, a despeito de todos os seus inimigos – tanto na política como nas franjas mais radicais da sociedade. O ano que chega ao fim foi marcado por vários episódios de intolerância. Ex-ministros, como Guido Mantega e Alexandre Padilha, foram agredidos em locais públicos. Chico Buarque, o maior artista brasileiro, foi insultado por um grupo de intolerantes no Leblon, demonstrando a que ponto a sociedade brasileira adoeceu.
No entanto, 2015 teve ainda o mérito de mostrar a natureza do golpe. Uma articulação sinistra, que uniu derrotados nas urnas, políticos corruptos que temem o avanço das investigações em curso e grupos fascistas que disseminam ódio e intolerância.
Felizmente, eles não passaram, nem passarão em 2016.

Site Brasil 247

Janot decide depois do recesso se irá abrir inquérito contra Aécio

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vai analisar após o recesso do Judiciário se deverá ou não abrir um inquérito para investigar os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Renan Calheiros (PMDB-AL) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP).
Os três parlamentares foram citados na Lava Jato pela delação premiada de Carlos Alexandre de Souza Rocha, entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef. Rocha disse que Aécio recebeu R$ 300 mil em propina de um diretor da empreiteira UTC Engenharia.
A denúncia contra o tucano foi publicada nesta quarta-feira 30 na Folha de S. Paulo. Aécio afirmou em nota que a denúncia é absurda e irresponsável e que tem como objetivo desviar o foco das investigações, além de "constranger o PSDB".
Segundo o delator, Renan teria sido o destinatário de R$ 1 milhão, entregue entre janeiro e fevereiro de 2014, enquanto o senador do Amapá teria recebido R$ 200 mil. Os dois negam as acusações. Randolfe classificou a denúncia como "incabível".
Site Brasil 247

Violência armada no Ceará em 2015 deixou 436 adolescentes assassinados

O ano de 2015 se encerra de forma trágica para a Segurança Pública no Ceará. Além de ultrapassar a taxa de 4 mil casos de assassinatos, a violência armada foi perversa com a juventude. No total, 436 adolescentes (idades entre 11 e 18 anos incompletos) foram mortos no estado. A maioria esmagadora acabou tendo a vida ceifada por tiros.
Somente neste mês de dezembro, foram 28 casos, isto é, mais de um à cada dia. Portanto, a cada 24 horas, pelo menos, um adolescente é morto no Ceará.
Entre as dezenas de vítimas estão garotos com uma precoce vida no mundo do crime. Entram para as fileiras do tráfico e dele só saem quando perdem a vida. Muitos sequer tiveram a oportunidade de estudar ou ter uma vida digna fora dos bairros periféricos da Capital ou da zona rural dos municípios do Interior.
Além de Fortaleza, cidades interioranas como Sobral, Juazeiro do Norte, Crato, Quixadá e Canindé registram os maiores índices de assassinatos de adolescentes.  O confronto armado entre gangues ou tiroteios com a Polícia são os maiores causados dos óbitos violentos de menores, aliados aos crimes  de execução sumário por “acerto de contas” do tráfico.
Em Fortaleza, os bairros que mais se destacam na negra estatística de mortes violentas de adolescentes são: Messejana, Barra do Ceará, Antônio Bezerra, Planalto Ayrton Senna, Jardim Iracema, Pirambu, Colônia, Passaré, Álvaro Weyne,Barroso, Itaperi, Jardim das Oliveiras, Sapiranga, Edson Queiroz, Aerolândia, Vila Velha e Mucuripe.
Site Ceará News 7

The Queen - Live Aid 1985 - Vamos curtir??

2015 o ano que Cunha sequestrou o parlamento


O ano de 2015 se perdeu no primeiro dia de fevereiro. Foi quando Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com apoio de boa parte da oposição, se elegeu presidente da Câmara dos Deputados, com 267 votos.
A partir dali, Cunha pintou e bordou no País, com apoio dos tucanos e dos setores mais conservadores da mídia nacional.

Os primeiros sinais da força de Cunha vieram já em março, quando o então ministro Cid Gomes, escolhido para levar adiante o lema da 'Pátria Educadora', se viu forçado a pedir demissão após qualificar o presidente da Câmara como "achacador".

Depois disso, empurrado por capas de revistas como Veja e Época, Cunha tentou emplacar uma reforma política que garantisse o financiamento empresarial de campanhas (raiz de todos os escândalos recentes de corrupção) e, em seguida, colocou em marcha um roteiro de implosão política e econômica do País.

Em sintonia com os tucanos, Cunha colocou em votação as chamadas pautas-bomba, com temas como o fim do fator previdenciário e o reajuste de mais de 100% para o Poder Judiciário. Era uma aposta clara no 'quanto pior, melhor', no momento em que o ex-ministro Joaquim Levy tentava aprovar seu ajuste fiscal – Cunha à frente do parlamento foi um fator decisivo para o rebaixamento do Brasil pelas agências de classificação de risco.

No front político, o presidente também representou a ameaça permanente de impeachment – que foi acolhido no fim do ano, depois que vieram à tona suas movimentações financeiras na Suíça e em outros países.

Cunha disse que fez fortuna vendendo carne enlatada para a África, numa justificativa que ninguém levou a sério. Apesar disso, nos últimos dias do ano, ele se manteve impassível e concedeu entrevistas como se nada lhe tivesse acontecido – ou estivesse prestes a acontecer.

Essa guerra política e econômica, absolutamente improdutiva, drenou todas as energias do governo em 2015, contribuindo decisivamente para a recessão. No entanto, ao menos serviu para mostrar à sociedade, a real natureza das relações entre os poderes Executivo e Legislativo.

O ano de Cunha foi também um ano pedagógico.

Site Brasil 247

Após reunião com Camilo, ministro garante recursos para abertura de hospital em Quixeramobim



O governador Camilo Santana se reuniu nesta quarta-feira (30), em Brasília, com o ministro da Saúde, Marcelo Castro. Na audiência, o ministro garantiu a liberação dos recursos (50% do custeio) para a abertura do Hospital Regional do Sertão Central, em Quixeramobim. A previsão é de que a unidade de saúde seja aberta à população no primeiro trimestre de 2016.

“Solicitei ao ministro a garantia dos recursos de 50% do custeio para colocarmos em funcionamento o hospital, algo que já estava acordado antes da troca no ministério. Agora, ele garantiu a liberação para o início do ano. A unidade é muito importante não só para o Sertão Central, mas para todo o nosso estado”, afirmou o governador Camilo Santana, que estava acompanhado do secretário da Fazenda, Mauro Filho.

Uma lição de dignidade a tanta gente que a perdeu

De Moisés Mendes, no Zero Hora de hoje:
A personagem do ano é a mulher que sai de casa arrastando chinelos e se dirige a uma repartição do município para dizer:
— Vim aqui devolver o cartão do Bolsa Família.
A cena repetiu-se durante todo o 2015 em prefeituras do sertão nordestino ou daqui mesmo, de Canguçu, de Rosário, de Cacequi. A mãe aprochega-se do balcão para anunciar uma decisão importante. Enfia a mão na bolsa em busca do cartão e puxa aquilo que é provisório em meio a outras coisas muito permanentes. E a moça do guichê pergunta:
— A senhora pode me dizer por que está devolvendo o cartão?
— Porque agora, e enquanto Deus desejar, não preciso mais disso.
Imagine a cena da mãe que sai de casa perfumada, com o melhor vestido floreado, não para pedir ajuda, mas para dizer que não precisa mais do amparo do governo para dar de comer aos filhos. Como a decisão foi tomada com o marido e a filharada, mesmo que a grande maioria nem marido tenha?
São as mulheres que fazem a gestão do benefício do Bolsa Família. Multiplicam os contadinhos. Mas, segundo alguns contrariados com tanta fartura, seriam o exemplo de povo viciado em esmolas. Uma mãe viciada em cento e poucos reais por mês.
Viciada em moedinhas que compram farinha de mandioca, do mesmo jeito que alguns empresários se tornaram viciados em subsídios, isenção de impostos, financiamentos com juro baixo, esquemas de proteção de mercado e outras mumunhas. Enquanto, claro, falam mal do Estado.
Uma mãe assim deveria dar curso de bons modos aos que atacam o Bolsa Família como distorção que não faz bem ao povo e ao país. O povo deveria entregar-se aos milagres do livre mercado, que muitos dos detratores do Bolsa Família defendem só nas teorias.
E também juízes, promotores e procuradores beneficiados com auxílio-moradia e auxílio-alimentação perpétuos podem aprender com uma mãe pobre que se dispõe a devolver aquilo que não precisa mais, porque arranjou um emprego ou descobriu um jeito de se virar sem o socorro do governo.
A personagem de um ano de crise braba não é uma, são as milhares de mães que entregaram o cartão do Bolsa Família em 2015, sem que ninguém lhes pedisse.
Os outros agarrados a benefícios mais graúdos, que ainda se lambuzam em privilégios que eu, você e todos nós pagamos, deveriam conversar com essas mães. Mas é difícil. Eles preferem continuar viciados em bolsas fartas que também as mães do Bolsa Família ajudam a sustentar.

Mais notícias da Região do Cariri

Os desafios para 2016
Os prefeitos da região do Cariri têm, pelo menos, dois grandes desafios para o
ano de 2016. O primeiro é o eterno e difícil controle dos gastos públicos. Muitas
gestões extrapolaram nos gastos e devem terminar o ano com diversos problemas,
inclusive, para pagar a folha dos servidores municipais. Na média, muitos
prefeitos não fizeram o dever de casa e podem deixar os cofres municipais no
vermelho. Para isso, tiveram que tomar decisões que geraram desgastes com o
funcionalismo público, como diminuir salários e cortar comissões. O segundo é
com relação às previdências municipais. Em vários municípios, cresce a desconfiança
sobre como vêm sendo mantidas essas reservas. Servidores, vereadores
e sociedade devem ficar de olho, pois gastos equivocados significam prejuízo
aos trabalhadores do serviço público.

Dinheiro para Educação
As prefeituras do Ceará devem receber, ainda em dezembro, o complemento de
85% dos repasses do Fundeb, referente ao ano de 2015. Os outros 15% devem
ser transferidos até o final de janeiro próximo. Ao todo, 60% desses repasses
devem ser utilizados para pagamento de remuneração dos profissionais do
magistério. O recurso vai atender, prioritariamente, ao reajuste do piso de 2015,
conceder progressões na carreira, pagar anuênios vencidos, comprar licenças-
-prêmio vencidas ou fazer rateio como forma de valorizar o professor. Alguns
prefeitos também utilizam para pagar o 14º salário. No Cariri, o município campeão
no repasse é Brejo Santo, com mais de R$ 930 mil. Baixio terá o menor
repasse, com pouco mais de R$ 94 mil.

Previdência própria: perigo ou solução?
Quando os municípios foram orientados a criarem suas caixas de previdência
particular, a indicação foi recebida como avanço. Mas, o mau gerenciamento
fez rondar o perigo a tão sagrada aposentadoria. O descaso com a previdência
municipal na cidade de Caririaçu, por exemplo, é para ser um bom exemplo. A
oposição diz que tem problemas. Já a situação afirma que não. Está na hora do
próprio Conselho da Previdência vir a público e se manifestar. Cabe, ainda, uma
pequena participação do Ministério Público pedindo uma explicação da real
situação da previdência privada de Caririaçu. Como dissemos, é preciso fiscalização
permanente. A participação do MP também será necessária.

Oposição reunida em Farias Brito
Sem tempo a perder, a oposição de Farias Brito reuniu suas forças, no dia 20
de dezembro, para debater um único projeto para a sucessão de 2016. Durante
o encontro, os líderes fecharam um plano de trabalho que, entre várias ações,
realizará encontros abertos para avaliar as políticas públicas e a satisfação da
população com a atual gestão. A surpresa foi a quantidade de lideranças que
atenderam ao chamamento. Os presidentes Marcos Moreira (PMDB), Jerônimo
Oliveira (PSD), Silvio Neco (PSB), Valdeir de Sousa (PRP), Jader Pinheiro
(PSDB), Alfredo Leite e Samuel Linhares (PT), além dos vereadores Flávio
Jorge, Nael, Neide e José Valdo, estiveram na reunião e fecharam acordo para
marcharem juntos. Destaca-se a união entre PT e PSDB. É a realidade local se
sobrepondo a disputa nacional.

Réveillon suspeito em Jardim
Apesar de estar de recesso parlamentar, a bancada de oposição está
atenta ao que acontece em Jardim. Recentemente, os parlamentares
acompanharam a divulgação das bandas que devem fazer a alegria
dos jardinenses na virada do ano. Até aí tudo bem. O problema é que
os vereadores suspeitam que a licitação, no valor de R$ 200 mil, veio
depois da divulgação. A concorrência aconteceu no dia 8 de dezembro,
enquanto as divulgações com os nomes das bandas e da empresa
realizadora do evento já circularam nas redes sociais bem antes. Agora, a
oposição promete pedir explicações a administração.

Avicultura em Aurora
Estudantes do curso de Avicultura, ligado ao Pronatec (Programa Nacional de
Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) em Aurora, tiveram um momento bem
interessante neste final de ano. Participaram de uma aula de campo na granja
Afonso Leite, que fica na Vila Paulo Gonçalves, e puderam acompanhar um pouco
da qualidade dos animais ali expostos. Mais ainda, puderam tirar dúvidas e
aprender sobre o processo de reprodução e abate de aves. A visita se deu com a
presença de Anaíza Xavier, coordenadora do Pronatec no Município.

Mantendo a base em Abaiara
O vereador líder da oposição em Abaiara, o petista Joãozinho Serra, terminou
este ano de bem com sua base eleitoral. Ele foi reeleito presidente
do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Município. Na
eleição realizada em 19 de dezembro, Joãozinho obteve 87% dos votos. A
maioria avassaladora mostra a satisfação da categoria com o trabalho do
parlamentar, dentro e fora do Sindicato.

Aurora e Chico Henrique
O presidente da Câmara Municipal de Aurora, Chico Henrique (PMDB), vem
se apresentando como uma forte alternativa para as eleições de 2016, pelo
grupo que representa o prefeito Adailton Macedo (PMDB). O parlamentar
abre espaço para debates importantes e, ao mesmo tempo, é referência na
disputa com a oposição, que tem como seu melhor nome o desgastado ex-
-prefeito Carlos Macedo. Chico Henrique corre por fora e tem chances de ser
o nome do PMDB em Aurora.

Enquanto isso...
...A oposição em Milagres continua ativa. Tem em Figueiredo (PT) o seu melhor
nome para 2016. Já em Potengi, a preocupação do prefeito Samuel Freire
(PC do B) deve ser com relação ao controle de gastos. Potengi precisa ter mais
recursos para investimentos.
...Em meio às dificuldades e os momentos de equívocos políticos de 2015, o
prefeito Samuel Freire (PT), de Assaré, promete estar mais presente na cidade
e investir nos servidores. Já Rondilson Ribeiro (PT), de Salitre, garante investir
em Educação.
... Nos bastidores da política caririense, começa a despontar o nome do prefeito
de Caririaçu, João Marcos, como provável nome do senador Eunício Oliveira
para uma cadeira na Assembleia Legislativa em 2018. Ele entraria no lugar de
Daniel Oliveira, que poderá disputar vaga na Câmara Federal.
... João Marcos descarta a possibilidade de ser candidato a deputado estadual,
dizendo estar focado na sua reeleição para prefeito. Segundo o gestor,
ainda há muito para ser feito no município de Caririaçu. Disse, ainda, que
são apenas conjecturas po

A partir de janeiro de 2016, 948 rádios AMs poderão mudar para FM

A partir de janeiro, 948 rádios de todo o Brasil já poderão sair da faixa AM (modulação em amplitude) e começar a transmitir a programação no sistema FM (frequência modulada). Para isso, as emissoras deverão pagar valores entre R$ 8,4 mil a R$ 4,4 milhões, além de custearem a compra de equipamentos necessários.
Atualmente, 1.781 emissoras estão como AM e, entre elas, 1.385 pediram para mudar de faixa. Segundo o Ministério das Comunicações, 948 rádios poderão fazer a migração em 2016.
As demais emissoras terão que aguardar a liberação do espaço que vai ocorrer com a digitalização da TV no país.
Os valores que cada emissora terá que pagar para fazer a mudança variam de R$ 8,4 mil a R$ 4,4 milhões. A tabela - elaborada pelo Ministério das Comunicações - foi feita com base em critérios como índices econômicos e sociais e população do município em que a rádio está localizada, além do alcance.
Para fazer a alteração, os radiodifusores terão de arcar com os custos referentes à diferença entre as outorgas de AM e de FM. Além disso, será necessário adquirir equipamentos para a transmissão do novo sinal.
A migração de faixa não é obrigatória, mas é uma antiga reivindicação dos radiodifusores brasileiros. As rádios AM têm enfrentado queda de audiência e de faturamento em razão de interferências na transmissão da programação. Além disso, não podem ser sintonizadas por dispositivos móveis, como celulares e tablets.



Agência Brasil

PRF restringe tráfego de caminhões em rodovias durante feriados

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) vai limitar o tráfego de caminhões em rodovias federais durante os feriados de 2016. A portaria, com datas e horários das restrições, foi publicada hoje (29) no Diário Oficial da União.
De acordo com o texto, a restrição afeta todos os trechos rodoviários de pista simples. Nos estados de Rondônia e Acre, não haverá restrição de circulação de caminhões, com exceção do período de Ano-Novo e carnaval.
Ainda segundo a PRF, o descumprimento da proibição constitui infração de trânsito prevista no Artigo 187 do Código de Trânsito Brasileiro. O veículo autuado só poderá seguir viagem após o horário de término da restrição.

Agência Brasil

Veja porque Brizola merece ser um herói da pátria

Dilma Rousseff sancionou hoje a lei que inclui Leonel de Moura Brizola no Livro dos Heróis da Pátria.
A lei, proposta pelo então deputado Vieira da Cunha em 2013, foi aprovada pelo Senado este mês.
Coincidência ou não, tem um significado nestes dias em que o golpismo trama contra a democracia.
De tudo o que fez, há algo em que Brizola é único.
Governar três vezes dois Estados diferentes, ter um terço dos votos de todos os cariocas como candidato a deputado no Rio de Janeiro, recém chegado aqui, em 1962, outros podem alcançar.
Sair  da roça, de pés descalços e tornar-se um dos políticos mais importantes do país, Lula provou que é possível e até mais além do que permitiram a Brizola ir.
Amar as crianças e a educação, ainda bem, tem na mesma linha Darcy Ribeiro, Paulo Freire, Anísio Teixeira, tantos…
Mas ter se erguido com a solidão e a coragem contra a ousadia de todos os ministros militares, a covardia dos políticos e a cumplicidade da mídia para evitar – ao menos por três anos – um golpe e uma ditadura, perdoem-me só ele.
Leonel Brizola é, agora com as formalidades, um herói da pátria.
Porque não há pátria sem povo, não há povo sem liberdade e a liberdade tem seus heróis tanto em quem a conquista como em quem a defende à custa de sua própria vida.
Há 15 anos, contra a vontade de Brizola, que achava que não tínhamos meios, fiz um vídeo sobre os instantes heroicos de 1961, com imensa pobreza de recursos e talento, mas com uma imensidão de desejo de dar – no final de sua vida – ao meu comandante por 20 anos a emoção que aqueles acontecimentos haviam lhe dado 40 anos antes.
Sem saber, eu começava ali as despedidas de alguém que, para mim, nunca se foi. Só quase três anos depois, na véspera de sua morte, ele apertaria tão forte a minha mão.
Divido com vocês o privilégio de ter podido reconstituir os dias de herói do agora e sempre Herói da Pátria Leonel Brizola.
 Texto Fernando Brito
no Blog Tijolaço

Golpe e ajuste econômico pautaram 2015

Não poderia haver agendas mais negativas, na economia e na política. Uma imposta pelo governo, outra pela oposição. Na sua conjunção, esse ano de retrocessos só não foi pior porque o impeachment não se impôs.

Os dois protagonistas do ajuste e do impeachment – Joaquim Levy e Eduardo Cunha – saem baleados do ano, mas deixam herança pesada. Deixam um país em recessão, com inflação – isto é, estagflação – e aumento do desemprego, além da projeção de que esse cenário seguirá até pelo menos a metade do segundo mandado da Dilma, se não houver uma virada forte na economia, que já se anunciou que não virá. O governo cede às pressões do mercado na saída do Levy e só anunciou mais medidas restritivas – agora incluindo reforma da previdência –, sem nada que aponte para uma retomada do crescimento econômico.

O ajuste foi resultado de uma leitura equivocada da forma como o governo saía das acirradas eleições. Foi feita uma opção preferencial pelo ajuste, às custas dos trabalhadores, aprofundando a recessão e isolando dramaticamente o governo. A propagação dos cortes do governo se estenderam a toda a economia, com seus efeitos perversos e socialmente devastadores.

O governo não levou em conta o caráter socialmente regressivo do ajuste, encima de uma vitória apertada, com o risco – amplamente confirmado – da perda de apoio dos setores populares que tinham garantido a vitória eleitoral da Dilma. Uma leitura economicista, tecnocrática, levou à queda vertiginosa do apoio do governo, deixando-o exposto às ofensivas da oposição para derrubá-lo.

O tema do ajuste passou a fazer parte da agenda central de 2015 por essa fragilização que o próprio governo se produziu. Nenhuma das acusações poderiam ser objetivo de acusações para um impeachment, mas o governo passou o ano inteiro na defensiva em relação a elas, porque apareceu como um governo suspenso no ar, sem conquistar apoio do mercado e perdendo apoio popular, para ter uma espada pendendo sobre a sua cabeça, com o espectro de um apoio inexpressivo nas pesquisas.

Foi um ano de agendas negativas, política, social e economicamente. A possibilidade de virar a página e retomar iniciativa está dada agora, com o esgotamento do impeachment e a saída de Levy do ministério. Nenhum governo pode governar sem capacidade de iniciativa e deixando se orientar pelas agendas negativas – tanto as da oposição como as equivocadamente auto impostas pelo próprio governo.

Derrotar o impeachment definitivamente e sair definitivamente da centralidade do ajuste no plano econômico – são as vias para o governo recuperar apoio social e político, resgatar a economia para retomar a expansão e voltar a se colocar em condições de disputar os consensos fundamentais do país.

Texto de Emir Sader
Rede Brasil Atual 

Eu acuso Aécio


Um homem que:

Constrói um aeroporto privado com dinheiro público;

Coloca recursos do contribuinte mineiro, como governador, em rádios da própria família;

Não se envergonha de, sendo político, ter rádios, num brutal conflito de interesses;

Faz uso pessoal do avião do Estado de Minas, como se houvesse vôo gratuito;

Nomeia fartamente parentes e amigos para a administração pública e depois ousa falar em meritocracia;

É capaz de apoiar Eduardo Cunha, em nome do impeachment, mesmo depois de conhecidas as avassaladoras provas contra ele fornecidas pelos suíços;

Jamais teve a hombridade de aceitar a derrota nas urnas e, por isso, se pôs a conspirar contra a democracia desde que saíram os resultados como um golpista psicótico;

Dá como comprovadas quaisquer acusações contra seus adversários, por mais frágeis que sejam;

Tem a ousadia de recusar um teste de bafômetro como se estivesse acima da lei que rege os demais brasileiros;

Recebe dinheiro dos contribuintes para atuar como senador e não devolve com um único projeto aprovado;

Aceita uma boca livre em Nova York de um banqueiro como André Esteves;

Não poupa esforço pelo financiamento privado de campanhas mesmo quando é sabido que esta é a origem maior da corrupção e que foi daí que surgiram ganguesteres como Eduardo Cunha;

Tudo isto posto, e a lista poderia seguir muito adiante, por que este homem não poderia fazer pressão para receber dinheiro de propina segundo delação homologada no SFT noticiada hoje pela Folha?

Texto do jornalista Paulo Nogueira

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

domingo, 13 de dezembro de 2015

Vamos curtir, pois hoje foi um dia perfeito....Perfect Day - The Jolly Boys

Veja o fracasso do golpe nesse 13/12


acesse e veja:

http://livestream.com/accounts/9579554/events/4037299

Contra o golpe.....

 

APENAS UMA MANIFESTAÇÃOZINHA!!!!

Umas perguntinhas................

A imagem mostra o jeito tucano de governar em São Paulo. Porrada nos estudantes. Decretação do fim da educação pública. O povo de SP merece esse governo?? É isso que queremos de volta??? Queremos o fim da educação pública? Queremos agredir adolescentes lutando por mais educação de qualidade? Até onde vai o cinismo emplumado dos tucanos? ´É esse tipo de político que queremos de volta nas prefeituras do Cariri?? Perguntas, apenas perguntas.


Os golpistas e o silêncio cínico desse 13/12

Os golpistas destilaram ódio nos últimos meses.

Hoje foram reduzidos ao que são: uns poucos gatos pingados destilando ódio em Brasilia, São Paulo e até no Cariri.

Os golpistas do Crato estão calados. nem nas redes sociais se manifestaram.

Além do medo o cinismo em dizer que depois tudo volta a ser como antes.

Mas começo a achar que o povo brasileiro e do Crato, e do Cariri e do Ceará não anda concordando muito com os golpistas.

Por que o silêncio dos golpistas se nesse 13/12 decretaram o AI -5? eles deveriam ter feito uma festa.






Para gente aguardar..............


Só para fechar... hoje o golpe morreu... veja vídeo de Dilma em passeata no Recife. (21/10/2014)

Os tucanos e o troféu esqueçamo que escrevi 2015... vocês merecem

Num ano em que a disputa foi muito renhida os tucanos conseguiram, mais uma vez, ganhar por unanimidade, com amplos méritos o Troféu Esqueçam o que Escrevi 2015. O júri, formado por 200 milhões de brasileiros, justificou a escolha:
   “Talvez tenha sido o ano em que foi mais difícil eleger o vencedor. Os tucanos alcançaram o feito praticamente no apagar das luzes de 2015 graças, principalmente a atuações imbatíveis de Mara Gabrilli e Aécio Neves. A deputada tentou emular o discurso com que Gabeira praticamente destituiu o então presidente da Câmara Severino Cavalcante. Tendo recebido, provavelmente, o mesmo santo, Mara, fazendo até blague com a sua condição física intimou Cunha a renunciar afirmando “levanta dessa cadeira” e quase levou toda a nação às lágrimas. Os lenços sumiram da praça. Mas, quando Cunha abriu o impeachment, dias depois, quem sumiu foi ela, o que foi fundamental para levá-la à vitória. Mas não sozinha. Achamos justo dividi-la com Aécio Neves que também teve uma participação brilhante neste ano. Ao ler notícias acerca das milionárias contas secretas na Suíça disse, do alto de sua nobreza, que seu partido não poderia se omitir diante das “provas contundentes” contra Cunha, mas quando ele anunciou o impeachment, dias depois, Neves, mais do que rapidamente passou a dizer que as “provas contundentes” eram contra Dilma, fazendo jus, dessa maneira ao galardão que, no nosso entender, deverá ser dividido entre todos os tucanos, por uma questão de justiça. Parabéns a todos”.

kkkkkkkkkkkk e o golpista Aécio faltou ao dia do golpe.; Além de cínico, medroso!!!!

Assessoria do senador Aécio Neves (PSDB-MG) informou que ele decidiu não participar dos protestos que pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff e foram marcados para o aniversário do AI-5, um dos dias mais trágicos da história do País, que selou o endurecimento da ditadura e o fim das liberdades civis; em Belo Horizonte, cerca de 350 pessoas foram às ruas, mas Aécio, que há mais de um ano tenta promover um golpe em parceria com o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não deu as caras; senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), outro ausente, culpou o calendário; “É uma época, a meu juízo pessoal, um pouco adversa a esse tipo de manifestação porque estamos praticamente em período nataliano”, afirmou; outro aliado, o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) exaltou protestos pelas redes sociais, mas a hashtag mais comentada do dia foi #NaoVaiTerGolpe

E o golpe... levou um golpe!!!!!

De acordo com o instituto, 40,3 mil pessoas foram às ruas pelo impeachment em São Paulo, neste domingo; número representa uma queda de 70,2% em relação aos 135 mil de agosto passado; em Brasília, a queda foi ainda mais acentuada: 72%; em Curitiba, o recuo foi de 84%; no Rio de Janeiro, de 95%; reação da sociedade organizada à tentativa de golpe capitaneada pelo PSDB e pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), investigado por corrupção e lavagem de dinheiro, pesou nos números; sem povo nas ruas, o impeachment da presidente Dilma Rousseff tende a naufragar

José Serra: da UNE ao golpe. A verdadeira cara de um tucano!!!!

Em transmissão ao vivo da Rádio Nacional do Rio de Janeiro na madrugada do dia 1º de abril de 1964, o então presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), José Serra, fez um discurso histórico, que contribuiu muito para a sua carreira política nos anos seguintes. Era uma convocação para a resistência ao Golpe já em curso naquele momento.
"Que nós partamos nesse instante para uma ofensiva e não fiquemos na defensiva porque a defensiva será a vitória de fato dessas forças reacionárias que hoje investem contra o povo brasileiro", disse o então estudante que cursava o último ano da Escola Politécnica da USP e havia sido eleito para a presidência da UNE no ano anterior.
Neste domingo, que marca também o 47o. aniversário do Ato Institucional número 5, que lançou o Brasil num período de trevas e obscurantismo, Serra voltou a um palanque – no entanto, trocou a defesa da legalidade pelo golpismo. 
"Agora é hora de falar de impeachment, depois falamos de governo", disse Serra, ao discursar no microfone do grupo Vem Pra Rua, que é ligado ao PSDB. Serra sonha num atalho para o poder, pois caso o golpe em curso leve Michel Temer para a presidência da República, ele poderia se tornar uma espécie de superministro da área econômica, assim como Fernando Henrique Cardoso foi para Itamar Franco.
No evento de hoje, outros políticos também discursaram. Entre eles, os senadores Aloysio Nunes (PSDB-SP) e Ronaldo Caiado (DEM-GO), assim como o empresário João Doria Júnior, que pretende concorrer à prefeitura de São Paulo pelo PSDB. Doria reconheceu que a manifestação ficou bem abaixo do esperado.
Site Brasil 247

Era uma vez um impeachment

Se sem rua não tem impeachment, como disse o próprio Cássio Cunha Lima hoje foi decretado o seu fim. Os organizadores (?) pensaram que seria o começo, o nascimento, mas foi o enterro. Hoje o impeachment foi enterrado.
   Malgrado a meia dúzia de gatos pingados sem nenhuma ideia do que seja isso ter levado seus filhos de três anos às ruas, a maioria da população brasileira não quer saber mais de impeachment por vários motivos: 1) o primeiro é que não há um motivo forte, determinante e isso quem diz não são os petistas nem os esquerdistas, são  experts até de direita, como o ex-ministro Delfim Netto e o ex-governador Claudio Lembo; 2) as tais pedaladas fiscais usadas como pretexto não têm a mínima consistência, como diz Delfim Netto hoje ao El País “no Brasil se pratica pedalada desde Dom João VI”; 3) as pessoas já se tocaram que as questões politico-jurídicas têm que ser resolvidas no âmbito jurídico-político e não nas ruas; 4) a continuação do impeachment só traz prejuízos ao país e aos brasileiros pois quanto mais instabilidade política menos investimentos externos e menos investimentos internos o que vai agravar a situação do emprego e da retomada do crescimento; 5) as pessoas já perceberam que se Dilma cair em seu lugar virá a turma do Temer e do Cunha com as consequências que ninguém quer pagar para ver; 6) o mais importante agora é afastar Eduardo Cunha da presidência da Câmara dos Deputados a fim de ser retomada a ordem democrática, sem pressões indevidas, manobras escusas e chantagens; 7) o país precisa de tranquilidade para recuperar o tempo perdido nesse debate estéril que nos paralisou em 2015.
   A percepção de que não cabe impeachment e seu esvaziamento galopante está na cara. Em todas as grandes capitais o número de manifestantes vem decrescendo desde o primeiro protesto, em março de 2014, aos dois seguintes, em agosto e outubro e ao de hoje. Por isso é bobagem justificar o fiasco de hoje com desculpas como “foi muito em cima” ou “estamos perto do Natal”. Quem quer impeachment intensamente quer a qualquer hora do dia ou da noite. O público não compareceu porque percebeu que quem ganha com isso é Cunha, é Temer, é Bolsonaro, é Marco Feliciano, é Paulinho da Força e pouca gente gostaria de tomar um café com algum deles.
   O público não compareceu porque a maioria dos brasileiros sabe que esse impeachment é uma tentativa de golpe porque não é um impeachment natural, imperioso, um impeachment que se impõe por si só, como o do Collor.
   O público já percebeu que é um impeachment dividido e duvidoso. E, como todo mundo sabe, in dubio pro reu.
   Sugiro que seja cancelada a manifestação contra o impeachment marcada para o próximo dia 16. Não precisa mais. O impeachment foi enterrado. A não ser que os organizadores queiram usá-la como missa de sétimo dia.
Site Brasil 247

Golpista FHC e a convocação de atos pró-golpe


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso usou sua página no Facebook para convocar a população a participar dos protestos marcados para este domingo, que pedirão o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
O impeachment de Dilma, defendido pela parceria PSDB-Eduardo Cunha, pode levar o vice-presidente Michel Temer ao poder, é um golpe por razões que foram didaticamente expostas neste sábado pelo deputado Wadih Damous (PT-RJ), em artigo publicado neste sábado (leia aqui).
Coincidentemente, os protestos foram marcados para o dia que marca o 47o. aniversário do AI-5, o Ato Institucional número 5, editado em 13 de dezembro de 1968, um dos dias mais trágicos da história do País. Com o AI-5, foram cassados vários direitos e liberdades civis e o Brasil passou a viver num regime de exceção.
O golpe tucano enfrenta a oposição de artistas, intelectuais, juristas, reitores e professores de universidades, além de praticamente todos os governadores – à exceção dos tucanos. Por isso, o PSDB, movido pela mágoa e pelo ressentimento de FHC, se joga voluntariamente no abismo.

Site Brasil 247

Arnon Bezerra participando de inaugurações com o governador Camilo Santana


Deputado federal Arnon Bezerra (PTB) participou na noite de ontem de inauguração da CE que liga os municípios de Jaguaribe a Jaguaretama. O prefeito José Abner , o presidente da AL/CE, Zezinho Albuquerque e o governador Camilo Santana entre os presentes.

Arnon esteve também em Orós onde participou da inauguração de duas CE's. No evento a rpesença do prefeito  Simão Pedro, Zezinho Albuquerque e Camilo Santana.

Hoje, Arnon cumpre agenda na Região do Cariri. 

Ainda no sábado o parlamentar esteve em Fortaleza e participou da inauguração de  uma creche e uma Unidade Básica de Saúde no Genibau. 


sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Marcelo Castro: o PMDB não é um partido golpista

O PMDB deve atuar alinhado em defesa do mandato da presidente Dilma Rousseff na comissão especial que analisará o pedido impeachment que começará a funcionar na segunda-feira, disse o ministro da Saúde, Marcelo Castro.
"O PMDB não é um partido golpista. A história do partido é em defesa da democracia, lutou pelas Diretas, pelo estado democrático de direito, essa é a marca do PMDB", disse o ministro peemedebista à Reuters nesta sexta-feira.
O PMDB tem direito a oito vagas na comissão especial que analisará o pedido de impeachment, maior bancada no colegiado de 65 assentos, juntamente com o PT, que também tem direito a oito deputados.
A declaração do ministro da Saúde foi feita horas depois de ter sido revelado que o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, um dos principais aliados do vice-presidente Michel Temer, pediu demissão do cargo.
Site Brasil  247

Até o Maluf tira onda com Alckmin. Êita governador desastrado!!!!


"Eu Paulo Maluf me orgulho de ter construído 998 escolas, mais de 300 creches e não fechei nenhuma", disse o ex-governador Paulo Maluf, nas redes sociais.

 Maluf entrou no debate depois que o governador Geraldo Alckmin foi derrotado em seu plano de reorganização escolar, que fecharia 93 escolas e terminou com estudantes agredidos pela PM e um secretário de Educação demitido.

Site Brasil 247

Democracia Ferida

 A democracia e a legitimidade do povo brasileiro foram desrespeitadas com esta abertura de processo de impeachment contra a Presidente Dilma Roussef. Não estamos aqui defendendo o partido, pelo contrário, estamos até agora a nos perguntar por que o motivo de tanta queda de braço e de ódio, escancaradamente aberto nos meios de comunicação. Tirar ou proferir sentença de algo legítimo, de uma eleição ganhada nas urnas, em que cada brasileiro exerceu o seu direito de escolha. É neste momento que a democracia é ferida, quando tentam tirar algo legítimo sem nenhum pingo de legitimidade, apoiado em apenas um documento, provas cabais de atos ilícitos? Cadê?


  Mas muitos preferem assim, apostarem no quanto pior, melhor. Nós, militantes do PT (Partido dos Trabalhadores), não só em nível de município, região ou Estado, mas de Brasil, estamos prontos para qualquer debate democrático, respeitando os limites da Constituição Federal. Não será por conta de interesses próprios de outrem, que são inimigos de nossa pátria que vamos nos calar, pelo contrário, o maior derrotado são eles, que acham que arrumaram a solução para todos os problemas, alicerçados pelo ódio e pelo revanchismo.

  Mal sabem eles que nossa militância é forte e estará preparada para qualquer debate e movimentos democráticos contra essa palhaçada que inventaram contra a Presidente Dilma, isto é, dentro dos limites da ética e da constituição federal, pois diferente de muitos, respeitamos e lutamos firmemente pela democracia. Estamos em busca apenas de uma coisa: Transparência. Essas palavras muitos não sabem o seu significado, e nisso se escondem atrás de cortinas quando possuem algo podre, mas quando querem ferir a democracia são os atores principais. A nossa estrela brilha, e tem vários caminhos, não vamos desistir e muito menos retroceder. Aguardaremos pacientemente cada passo, e por falar em caminhos, o ódio aumenta mais quando falamos o que fizemos por este país, dotado de gente guerreira e de fé, que não desanima nunca. Contudo, são estes mesmos caminhos de inclusão trilhados pelo PT, de mais educação, saúde e investimentos que levaram e continuarão levando o Brasil às suas grandes marcas: Ordem e Progresso.

Por Bruno Ferreira Ramos - Acadêmico em Direito pela FALS e jovem filiado do PT.

Entendendo a retomada da greve da URCA

Segue abaixo texto enviado a este blogueiro pelo comando de greve da URCA explicando os motivos da greve.


1)        Por que a greve da URCA foi retomada?
Porque no dia 06/01/2015 foi feito um acordo com o Governo do Estado para a realização do concurso – 62 vagas emergenciais mais as 28 nomeações de concursados de 2010 – que deveria atender a demanda do semestre letivo de 2015.1 e esse concurso não saiu.
2)        Por que o EDITAL do concurso não saiu?
Porque houve um erro por parte da Reitoria da URCA no encaminhamento do edital. As vagas previstas no edital inicial não estavam em consonância com a estrutura de cargos do magistério da URCA, e só foi possível atender o Centro de Artes. Portanto, foi necessário alterar os anexos da Lei nº 15.680, de 29/04/2015. Como a UECE tinha a previsão dos cargos o concurso de lá saiu e o nosso não.
3)        E que Lei é essa?
A lei que corrige o erro cometido pela Reitoria e viabiliza a publicação do edital do concurso. Entra agora o descaso do Governo do Estado, que esta com essa Lei que realocação os cargos, desde abril, e não a enviou para a Assembleia Legislativa.
4)        Isso significa que o concurso está garantido?
Não. Para que saia o concurso é necessária a publicação do edital no Diário Oficial do Estado. E isso não ocorreu ainda.
5)        E por que a Lei foi aprovada somente agora?
Porque o coletivo de professores e estudantes da URCA, cansado de aguardar o cumprimento do compromisso assumido pelo Governador, decidiu, no dia 26/11/2015, pela retomada da greve. Vale salientar que 50 dias antes, em assembleia, a categoria já tinha deliberado que: se a questão não fosse resolvida até o início do período letivo 2015.2 a greve seria retomada.
6)        Essa medida surtiu algum efeito? 
Sim.
Primeira vitória: cinco dias após a decretação da greve e com a presença do comando de greve (composto por professores e estudantes), a Assembleia Legislativa votou a Lei em caráter de urgência.
Segunda vitória: fomos recebidos pelo Governo do Estado (Chefe de Gabinete do Governador, Secretário de Ciência e Tecnologia - SECITECE e Secretário dos Movimentos Sociais, além de Deputados) que se comprometeu em agilizar o processo.
Terceira vitória: ficou agendada, para o dia 10/12/2015, uma reunião do Governo com o Comando de Greve para acompanharmos o andamento do certame.
7)        Como se estabelece uma greve?
O Sindicato convoca uma assembleia geral, que é o INSTRUMENTO LEGÍTIMO E LEGAL de deliberação política da categoria. Em primeira convocação é necessário um quórum de 50% mais 1 dos filiados ao Sindicato. Em segunda convocação as deliberações ocorrem com qualquer quórum.
8)        Os Departamentos podem “não aderir” à greve?
Departamento não é órgão deliberativo de greve, é apenas um órgão administrativo, não cabendo a ele a decisão de aderir ou não à greve.   
9)        E essa assembleia que deliberou a retomada da greve, como foi?
Foi uma assembleia com 79 professores, na qual votaram 53 favoráveis, 12 votos contra e 4 abstenções, assumindo, inclusive, as reivindicações dos estudantes que estão com suas bolsas atrasadas. Nessa assembleia, como em todas as outras, as pessoas presentes (alunos, professores, técnicos, comunidade externa) podem se manifestar. Todos têm direito à voz, entretanto, apenas os professores presentes podem votar. E foi isso o que aconteceu na assembleia do dia 26.
10)     E o que a Reitoria está fazendo?
A Reitoria está usando o site da Universidade para divulgar comunicados de setores que não compareceram à Assembleia e que questionam a legitimidade da greve. O que demonstra uma interferência na autonomia do movimento docente.
11)     Os professores podem ministrar aula no período da greve?
Um número reduzido de professores tenta desrespeitar a deliberação democrática da assembleia, alguns destes estão coagindo os alunos a comparecer à universidade, marcando avaliações, de forma, isso sim, ilegal e ilegítima.
12)     E o que eu faço se o professor nos obrigar a assistir aula?
O professor não é dono da aula. Aula é momento de troca de saberes entre aluno e professor. Denuncie à Comissão de Ética do Comando de Greve. Isso é assédio moral. No período de greve o Calendário Acadêmico é suspenso e outro deve ser divulgado após o fim da greve. Você tem o direito de aderir à greve e ninguém pode te obrigar a “furar greve”.

Estamos muito próximos da vitória!

Convocamos toda a categoria, os estudantes e a população a fortalecer o movimento em defesa da universidade pública, gratuita, democrática e de qualidade.

Comando de greve da URCA

Crato será beneficiado pelo projeto “Fortalecendo minha comunidade”


O Crato foi um dos 18 municípios cearenses contemplados com o projeto do Governo do Estado “Fortalecendo minha comunidade”, que consiste em ações de apoio às iniciativas de organizações não governamentais - ONG´s, associações e entidades que desenvolvam trabalhos comunitários ou apresentem potenciais nessa perspectiva da promoção de cidadania e prevenção ao uso de drogas. O projeto é executado pela Secretaria Especial de Políticas sobre Drogas, em parceria com a ONG Luzia Lopes Gadelha e os municípios. 

Na manhã da última quinta-feira, 3, a representante da SPD, Alessandra Pimentel de Souza, esteve reunida com técnicas da Secretaria Municipal do Trabalho e Desenvolvimento Social (SMTDS), Geiza Feijó e Cleide Barbosa, onde foram avaliadas as qualificações/habitacionais técnicas para seleção das propostas. Allekson Ramon Cavalcanti, representante da ONG Luzia Lopes Gadelha, participou da reunião.


A representante do Governo Estado disse que o objetivo é levar às cidades do Ceará, projetos que possam estar fortalecendo principalmente a juventude, nos aspectos de proteção contra o uso abusivo de drogas, lícitas e ilícitas. Sobre a parceria com o Crato, Alessandra informou estar avaliando os projetos que se candidataram. “Duas iniciativas foram contempladas, uma delas está relacionada ao esporte, através da Associação de Agricultura Familiar e Empreendedorismo, e a outra é voltada para a cultura pela Associação Comunitária do Sítio Belo Horizonte”, explicou.

Escolas de Crato participam da segunda edição do Concurso Gea Terra Mãe



Escolas da cidade do Crato estiveram representadas durante a segunda edição do concurso Gea Terra Mãe, que este ano teve como temática principal “É o solo que sustenta a vida”, no ano internacional do Solo, realizado por meio do Geopark Araripe. Participaram das atividades oito escolas, incluindo unidades do ensino médio e fundamental, algumas delas destacando-se durante a culminância dos trabalhos.

A apresentação dos alunos aconteceu na manhã desta quinta-feira, 3, no auditório do Salão de Atos da Universidade Regional do Cariri (URCA). Uma comissão técnica de profissionais da área da fotografia, cinema, artes, esteve realizando a apreciação dos trabalhos, para a premiação. As escolas do Crato receberem premiação em várias categorias. Na de Dissertação, com o primeiro lugar, a EEM Joaquim Valdevino de Brito; primeiro lugar para a EEF Dom Quintino, na categoria de Fotografia, e o terceiro lugar para a Poesia de Cordel, a Escola Estado da Paraíba, que obteve o primeiro lugar no Teatro de Bonecos.

O evento contou com a participação de 35 escolas das cidades do território do Geopark, incluindo Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Nova Olinda, Santana do Cariri e Missão Velha, com mobilização de cerca de 1.500 estudantes. Os trabalhos vencedores estarão expostos no Centro de Interpretação e Educação Ambiental, em Crato, até o próximo ano.


O II Concurso Escolar “GEA – TERRA MÃE”, se insere nas celebrações das Nações Unidas dinamizadas pela UNESCO, no âmbito da Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014), Década da Biodiversidade (2011-2020) e Década Internacional para Ação “Água, Fonte de Vida” (2005-2015) e Ano Internacional dos Solos (2015). Nessa segunda edição do Concurso Escolar “Gea – Terra Mãe”, o intuito é fomentar atividades que englobem estudos das Geociências e o Desenvolvimento Sustentável.